domingo, 24 de maio de 2015

#DiaDeFilme: O Grande Hotel Budapeste

"Ainda resta uma centelha fraca de civilização neste matadouro selvagem que já foi conhecido como humanidade."

Sinopse:
No período entre as duas guerras mundiais, o famoso gerente de um hotel europeu conhece um jovem empregado e os dois tornam-se melhores amigos. Entre as aventuras vividas pelos dois, constam o roubo de um famoso quadro do Renascimento, a batalha pela grande fortuna de uma família e as transformações históricas durante a primeira metade do século XX.


Olá, pessoal! Como vocês estão? Espero que bem! Então, esse final de semana eu tirei para não fazer absolutamente nada de faculdade, trabalho, etc, e me concentrei em fazer o que eu não fazia há um tempo: ver filmes. O primeiro a ser visto foi "O Grande Hotel Budapeste". Eu já havia adquirido o filme há alguns meses, porém, foi apenas por ver as indicações ao Oscar do longa. Não sabia do que se tratava realmente e, portanto, não tinha grandes expectativas. 

Foi mágico! Como é bom não estarmos esperando nada demais e vir uma verdadeira produção que te toca profundamente. O Grande Hotel Budapeste é um filme único, pois eu nunca vi nada igual. Eu precisava ser surpreendida, eu precisava de um tempo dessas grandes produções cheias de efeitos especiais e heróis e foi exatamente o que eu tive. O filme todo é diferente, e é isso que torna-o tão fantástico.

O filme gira em torno de um velho escritor (interpretado por Thomas Wilkinson) que decide revelar o que aconteceu no tempo que ficou no Grande Hotel Budapeste e conhece seu proprietário, que acaba contando a ele, durante um jantar, toda a história de sua vida e, consequentemente, do passado e trajetória do hotel. Ou seja, o filme não começa na sequência cronológica dos fatos, o que deixa tudo mais intrigante. No entanto, o mistério não chega a ser confuso. Tudo faz parte de um grande quebra-cabeça em que, no final, as peças se encaixam perfeitamente.

A partir do que o dono atual do hotel conta para o escritor, os personagens principais vão aparecendo. Ralph Fiennes (eterno Lord Voldemort, né gente?!) como M. Gustave (concierge do hotel) e Tony Revoluri como Zero (o novo mensageiro do hotel). 

A trama começa a se desenrolar quando, para  a surpresa de todos, M. Gustave recebe a notícia de que uma de suas amantes ricas, velhas e loiras  (como eram todas), morrera. O mais surpreendente não é o fato de a mulher ter falecido, mas sim de que ela deixou uma herança para M. Gustave, mais especificamente um quadro valiosíssimo. A família da falecida fica inconformada de ter que dividir sua fortuna com um qualquer, e começa a fazer de tudo para tornar a vida de M. Gustave um inferno, tudo para que ele não fique com nada. 


Zero e M. Gustave ficam muito próximos, amigos realmente, mesmo que fique muito claro a relação de patrão e empregado entre eles.

Além da fotografia excelente do filme, a história e os personagens também cativam. É algo fora do que estamos acostumados a ver por aí e, a meu ver, mereceu todas as 9 (isso mesmo!) indicações ao Oscar, assim como mereceu ter levado 4 estatuetas destas 9, com melhor trilha sonora, melhor design de produção, melhor figurino e melhor maquiagem e cabelo.

O filme foi baseado nos escritos do autor austrí­aco Stefan Zweig (para minha surpresa, descobri ao pesquisar que o autor passou os últimos dias de sua vida em Petrópolis com a mulher. A cidade possui um museu que possui informações sobre a vida e obra de Stefan).


Pelo que percebi, as pessoas têm uma relação de amor ou ódio com esse longa. Alguns se encantam com o filme, outros detestam. Enfim, acho que vale a pena tirar um tempinho para ver esse filme, porque mesmo sendo suspeita para falar, sempre dá para tirar alguma coisa boa de "O Grande Hotel Budapeste". Assistam! E me contem depois o que acharam!

4 comentários:

  1. Confesso que pulei algumas partes da sua resenha, pois ainda não assistir o filme. Mas quero assistir esse filme. Acompanhei o Oscar e vi as premiações que ele ganhou, deve ser um ótimo filme. Porém eu tinha esquecido de assistir. Rs <3 http://luxuosoestilo.blogspot.com.br/2015/05/filha-da-floresta_28.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, assista mesmo! Foi um bom filme... Me diga o que achou depois de vê-lo!
      Beijos!

      Excluir
  2. Eu não conhecia o filme.
    Mas amei a indicação.
    Olha acho que não seria um filme que eu leria, mas você me convenceu. Vou assistir, quem sabe o filme me impressiona também né?
    Beijos
    Coleções Literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é um bom filme! Espero que você goste! Depois conta o que achou... =}
      Beijos

      Excluir